Quanto vale o seu trabalho?

(publicado em mai/2012)

Com o desemprego em baixa, pipocam os movimentos por melhoria de salários, greves, etc. O processo se alastra e, inevitavelmente, em todas as camadas profissionais começam questionamentos sobre o quanto se ganha.

Na área de áudio e música há muitos profissionais autônomos ou proprietários de pequenas empresas que precisam, continuamente, definir o quanto cobrar por seu trabalho. Enquanto músicos, professores de música e operadores de áudio geralmente ganham por período trabalhado, produtores musicais, instaladores e projetistas ganham por atividade realizada. É claro que isso nem sempre é a regra, mas na maioria das vezes fica a dúvida: será que estou ganhando aquilo que mereço? E a resposta, frequentemente, é aquela velha frase que diz que é muito para quem paga e pouco para quem ganha. E então? Quanto vale o seu trabalho?

Valor é algo subjetivo, mas custo não. Para que um negócio seja viável, é fundamental que a receita que ele produz seja maior do que as despesas que ele causou. Para quem possui um estúdio, por exemplo, é preciso considerar os gastos em equipamentos e as horas dedicadas à instalação e à manutenção da infraestrutura. E há ainda os custos não palpáveis, como o tempo gasto em estudos e, sobretudo, o valor da experiência adquirida. Mas, no final das contas, é realmente difícil definir o quanto cobrar, principalmente porque vivemos num mercado de trabalho pouco regulamentado e sujeito à concorrência de todos os tipos.

Por outro lado, é importante buscar sempre a redução dos custos, minimizando os gastos e aumentando a eficiência. Otimizar o processo de trabalho, manter o foco nos objetivos prioritários e evitar o desperdício de tempo são algumas recomendações óbvias que às vezes esquecemos de considerar.

Uma das questões fundamentais para a valorização do trabalho é a qualificação profissional. Nosso segmento está repleto de pessoas que se aventuram em atividades para as quais não estão tecnicamente preparadas. Obviamente, cobram pouco pelo que fazem e nivelam para baixo o mercado de trabalho.